Capa Notícias MULHERES DO PT SE MANIFESTAM POR MAIS MULHERES NO PODER

MULHERES DO PT SE MANIFESTAM POR MAIS MULHERES NO PODER

103

Durante o 6º Congresso Estadual do Partido dos Trabalhadores do Acre, as mulheres militantes apresentaram um manifesto sobre a importância de mais mulheres nas candidaturas majoritárias.

É notório a pouca representação de mulheres nos espaços de poder, para isso as mulheres reunidas no congresso estadual do PT/AC, buscaram trazer a luz o debate sobre o empoderamento feminino.

“Nos mulheres petistas temos de como referência para governo em 2018 o nome de uma mulher, porém as militantes desejam mais representações, não só em eleições, sejam elas proporcionais ou majoritárias, mas desejam ocupar secretarias distintas na executiva do partido e participar das discussões e decisões partidárias” afirmou Joce Aguiar (Secretaria estadual de Mulheres do PT)

As mulheres petistas reconhecem o pioneirismo do partido quando se trata da luta por igualdade de gênero, e deixa isso claro em seu manifesto, mas levantam o questionamento no que tange a mulheres que realmente ocupam espaços de decisões no partido.

Leia na integra o manifesto apresentado pelas mulheres petistas no 6º congresso estadual do PT/AC:

 

“CORAÇÕES VALENTES”

MANIFESTO PELA PARIDADE DE GÊNERO NAS CANDIDATURAS MAJORITÁRIAS DO PT/AC

O nosso Partido das Trabalhadoras e Trabalhadores, nasceu da luta pela redemocratização do Brasil, sempre teve na sua construção o protagonismo das mulheres.

 

Chegamos ao século XXI com significativa conquista para a democracia brasileira: tivemos a primeira mulher presidindo nosso país, cujo mandato foi interrompido pelo rancor da elite contrariada, pelos preconceitos existentes contra as mulheres, principalmente as que não aceitam submeter-se ao poder patriarcal. Sofremos um golpe por disputa ideológica de classe, fato que se tornou o capítulo mais vergonhoso da história política brasileira.

 

Mesmo compondo 53,2% do eleitorado brasileiro, em 2014 ocupamos somente 10% das cadeiras da Câmara Federal e 16% do Senado, o que nos posiciona num dos últimos países no ranking de representação política feminina da ONU, ficando à frente somente do Haiti, quando se trata de América Latina, o que aumenta nosso desafio do cumprimento da área temática “Mulheres no Poder e na liderança”, da  Declaração e Plataforma de Ação de Pequim, sob orientação da ONU-Mulheres.

 

Reconhecemos o pioneirismo de nosso partido no estabelecimento de cota mínima de 30% para mulheres, entretanto, muitas candidaturas de mulheres são “figurantes” ou “laranjas”, porque dirigentes partidários, majoritariamente homens, colocam as mulheres apenas para cumprir a cota mínima. Além disso, não priorizam recursos de campanha, o que desestimula muitas candidaturas femininas.

 

A reforma do nosso Estatuto aprovou a paridade de gênero, prevendo a participação das mulheres em 50% na composição das direções, delegações, comissões e cargos específicos de secretarias do partido.

 

Constatamos que as conquistas nesse campo não obtiveram, na prática, o avanço esperado, e nós mulheres continuamos sub – representadas  porque a cultura sexista se reproduz nos espaços políticos ocupados por nós mulheres, e a nossa participação não se traduz efetivamente na elaboração, formulação e discussão política, ou mesmo nas esferas centrais de decisão do partido, a exemplo do debate em torno de pré-candidaturas majoritárias no nosso estado.

 

Não aceitamos que essas questões sejam tratadas de forma superficial e meramente burocrática, e reivindicamos a participação paritária de mulheres nas candidaturas majoritárias de nosso partido no estado, considerando que temos lideranças femininas que reúnem as condições para assumir os espaços de poder, fazendo jus ao nosso compromisso e empenho cotidiano na construção coletiva de um partido socialista-democrático, bem como da continuidade de um projeto transformador para nosso estado e nosso país, com equidade de gênero. raça, cor e orientação sexual.  .

 

Por fim, conclamamos todos os homens e mulheres do nosso partido a firmarmos um pacto de gerações e de gênero, começando pelas eleições de 2018!

Rio Branco/AC, 06/05/2017

Assinam: (242 pessoas assinaram)